terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Fisiculturistas vegetarianos



Como no post carne branca x carne vermelha apareceram alguns duvidas sobre os fisiculturistas vegetarianos, fui atrás de algumas coisas para sanar essas dúvidas e aumentar o arquivo da seção “nutrição e dieta”.

Vegetarianismo é uma corrente de indivíduos que, por opção ou não, não ingerem carne. Existem diversas formas e níveis de vegetarianismo, mas neste post irei me referir ao nível de ausência total de carnes, seja de peixe, ave, bovinos ou de outro animal.

Andreas CahlingEntre poucos fisiculturistas vegetarianos encontrei com destaque Andreas Cahling (ver foto ao lado), fisiculturista sueco ganhou o Mister Mundo de 1980, era vegetariano há mais de 10 anos no tempo em que competiu nos rankings internacionais mais altos. Uma revista publicou que suas “apresentações nas competições de Mr. Universo e nos campeonatos mundiais de fisiculturismo, deu aos experts a impressão de que ele seria o próximo Arnold Schwarzenegger”. Mais sinceramente não vemos um físico que cause tanto espanto e leve a essa consideração insensata, prefiro dizer que não passou de sensacionalismo dessa revista para vender mais edições.

Outro atleta que não é exatamente um fracote é o Stan Price. Ele detém o recorde mundial de supino em sua classe de peso. Roy Hilligan é outro rapaz que ninguém estaria disposto a provocar. Entre seus vários títulos está a coroa de Mister America. Stan Price e Roy Hilligan são vegetarianos. Em minhas buscas encontrei também um atleta italiano chamado Piero Venturato, ele é duas vezes campeão mundial de fisiculturismo e sete vezes campeão italiano, além de cinco vezes campeão europeu.

Para complementar um pouco sobre os vegans vou colocar trechos de um artigo feito pela Universidade de Yale, fazendo uma comparação entre atletas que comiam carne, atletas vegetarianos e vegetarianos sedentários:

Dos três grupos comparados, os que comiam carne demonstraram bem menor resistência do que os abstêmios (vegetarianos), menor até mesmo daqueles que levavam uma vida sedentária. A média de pontuação dos vegetarianos foi mais do que o dobro dos que comiam carne, mesmo a metade dos vegetarianos sendo sedentários, enquanto todos os onívoros eram atletas.

Um estudo similar foi conduzido pelo Dr. J. Ioteyko da Academia de Medicina de Paris. O Dr. Ioteyko comparou a resistência dos vegetarianos e onívoros com todos os estilos de vida em uma variedade de testes. Os vegetarianos atingiram uma média de resistência duas a três vezes maiores do que os que comiam carne. E ainda mais surpreendentemente, eles levaram 1/5 do tempo para se recuperar da exaustão, comparados aos que comiam carne.

Em todos os testes dessa natureza que já foram realizados nos últimos anos, os resultados têm sido similares. Um grupo de médicos na Bélgica comparou sistematicamente o número de vezes que vegetarianos e onívoros eram capazes de comprimir um medidor de força manual. Os vegetarianos foram vitoriosos com uma média de 69 vezes, enquanto os que comiam carne atingiram a média de apenas 38. E como em todos os outros estudos que mediram o tempo de recuperação dos músculos, os vegetarianos aqui se livraram da fadiga bem mais rapidamente do que os que comiam carne.

Sei que nenhum de nós vai acreditar nesses dados, mais como o intuito é de aumentar o conhecimento além dos bíceps, deixo aberto para que cada um de nós dê a sua opinião sobre o assunto. Vou colocar o que eu acho e espero contar com a colaboração de vocês:

Os níveis de proteína e de outros minerais encontrados em animais é extremamente alto, mais alto do que em qualquer vegetal. Até mesmo a soja, reconhecida por apresentar uma concentração protéica alta, apresenta uma proteína de valor biológico baixo, que simplesmente será pouco utilizada pelo corpo, por maior que seja a quantidade ingerida. Além disso, o ferro, um micronutriente essencial, é encontrado em grandes quantidades em carnes bovinas, assim como outras vitaminas e micronutrientes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário